Eu também já fui militante, não daquelas de gritar nas ruas ou de participar de passeatas, mas do tipo que descorria através de palavras, de letras… E creio que contribuir muito com meus inúmeros artigos no principal Jornal do Maranhão, meu pai costumava dizer que eu tinha nascido para ser política. Eu reclamava e não aceitava muita coisa no País… Com o passar do tempo e depois de mullher pouca coisa mudou, ando mais contida, mas quem sabe se de repente não volto?… É que passamos a acreditar que nossos gritos não fazem tanto efeito ou diferença, mas o importante é tentar mesmo que essas tentativas fiquem sufocadas… O importante é lutar e fazer a nossa parte!