Estudo de cientistas americanos revela os perigos do sexo oral

O New Englands Journal of Medicine trouxe na capa de hoje uma reportagem sobre pesquisas realizadas por cientistas da Universidade Johns Hopkins que mostra que sexo oral pode ser mais perigoso para a garganta do que fumar ou beber.

O Dr. Gypsyamber D’Souza e sua equipe chegaram à conclusões importantes que podem assustar os mais ativos.
O estudo foi feito com 300 pessoas e revelou que os que praticam sexo
oral com mais de seis parceiros na vida, são quase 9 vezes mais
propensos a desenvolver
câncer orofaringeal (que atinge garganta, amídalas e língua) causado por HPV (vírus que vive na pele e nas mucosas genitais).

Quando tratado, o vírus que quase sempre passa despercebido,
desaparece sem causar nenhum dano à saúde, mas, quando ignorado, pode
trazer conseqüências mais graves como esse câncer.

Os cientistas da Johns Hopkins também acabaram com especulações anteriores que diziam que o hábito de fumar e beber eram os que mais desenvolviam câncer