Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses concorre na eleição das Sete Maravilhas Naturais do Mundo

São Luís (02/08/07) – O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses está participando do concurso internacional das Sete Maravilhas Naturais do Mundo. O concurso é promovido pelo grupo suíço Fundação New Seven Wonders que também organizou a eleição das Sete Novas Maravilhas do Mundo Moderno, o qual mobilizou milhares de brasileiros e teve o Cristo Redentor como um dos vencedores.

A mobilização no Brasil já foi iniciada e, como o  objetivo de fortalecer a participação brasileira no concurso, a idéia dos  organizadores é inscrever apenas uma maravilha, que sintetize toda a beleza da paisagem natural do país. Nesse sentido, foram selecionados além do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, as Cataratas do Iguaçu, a Floresta  Amazônica, o arquipélago de Fernando de Noronha, a Gruta do Lago Azul (em  Bonito/MS), a Chapada Diamantina e o Pantanal. A votação dessa seletiva  nacional está sendo feita no site da Revista Época: www.epoca.com.br.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é considerado um dos favoritos na disputa, e possui uma beleza ímpar  que vale a pena conhecer, caminhando por suas areias brancas e interagindo  com a natureza. Criado no dia 2 de junho de 1981, com uma área de 155 mil  hectares, o parque atrai turistas do mundo inteiro.

Os Parques  Nacionais são áreas de grande beleza cênica e importância ecológica,  especialmente protegidas por lei, e têm como objetivo principal a conservação dos ecossistemas naturais, embora neles sejam permitidas atividades de pesquisa científica, educação ambiental e ecoturismo. A imagem mais difundida dos Lençóis Maranhenses é representada pelo maior campo de dunas costeiras das Américas, onde se formam centenas de lagoas de água doce  no período chuvoso. As dunas são altas, chegando a medir até 40 metros de  altura, e se movimentam constantemente com o vento, o que dá a impressão de formar um lençol gigante.

Além deste cenário, o Parque apresenta  áreas de restinga onde se concentra sua maior biodiversidade, manguezais e  uma faixa marinho-costeira com cerca de 70km de extensão de praia e 1km  entrando pelo mar. No local existem muitas espécies de plantas e animais que  só ocorrem nesta região, por isso são chamadas de espécies endêmicas, como a  tartaruga-pininga. Ali há uma grande diversidade de répteis e anfíbios, além  de aves, destacando-se as migratórias e pássaros como tetéu, garça,  marrecas-de-asa-azul, paturi, gaivota, etc.

A vegetação é também  influenciada pela ação de ventos e das correntes marinhas. Por isso, dentre  as espécies vegetais ali encontradas estão os mangues que ainda são bem  preservados, o carrapicho de roseta, buritizeiros, juçarais, entre outras.

Na qualidade de unidade de conservação federal de proteção  integral, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é administrado pelo  IBAMA e sua visitação pública é regulamentada pelo Plano de Manejo através  do zoneamento e das regras de uso da área. Em ocasiões de maior fluxo de  visitantes como as férias escolares e feriadões, ou em campanhas de  incentivo ao turismo como a eleição promovida pela Revista Época e pela  fundação suíça das Sete Maravilhas, o Núcleo de Unidades de Conservação do  Ibama/MA aproveita para relembrar as normas que objetivam a preservação da  beleza e do equilíbrio ecológico deste patrimônio natural do Maranhão para  as gerações futuras.

Não é permitido o trânsito de qualquer tipo de  veículo motorizado nas dunas, os condutores são orientados a parar nos  limites indicados, enquanto os turistas seguem caminhando. A lotação máxima  por veículo é de 10 turistas, além do motorista e do guia. É proibido o  consumo de bebidas alcoólicas dentro do Parque, assim como não é permitido  fazer fogueira ou churrasco, nem utilizar equipamentos de som ambiente. Todo  o lixo produzido deve ser recolhido nos carros. Filmagens e fotografias são  permitidas apenas para uso pessoal, para fins de divulgação e comercial é  necessário haver prévia autorização do órgão ambiental, assim como a  realização de pesquisas científicas ou projetos que envolvam as comunidades  dentro dos limites do Parque. O descumprimento dessas normas está sujeito às  penalidades previstas na legislação ambiental (Leis 9.605/1998 e  9.985/2000).

Paulo Roberto e Fábio Sousa
Ibama/MA